quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Ensinar exige disponibilidade para o diálogo



Paulo Freire

Nas minhas relações com os outros, que não fizeram necessariamente a opção que eu fiz, no nível da política, da ética, da estética, da pedagogia, nem posso partir que devo conquistá-los, não importa a que custo, nem tampouco temo que pretendam me conquistar. È no respeito às diferenças entre mim e eles ou elas, na coerência entre o que faço e o que digo, que me encontro com eles ou elas. É na minha disponibilidade à realidade que construo a minha segurança, mas é impossível também criar a segurança fora do risco da disponibilidade.
Como professor não devo poupar oportunidade para testemunhar aos alunos a segurança com que me comporto ao discutir um tema, ao analisar m fato,ao expor minha posição em face de uma decisão governamental. Minha segurança não repousa na falsa suposição de que sei tudo, de que sou o maior. Minha segurança se funda  na convicção de que sei algo e ignoro algo, a que se junta a certeza de que posso saber melhor o que eu já sei e conhecer o que ainda não sei. Minha segurança se alicerça no saber confirmado pela própria experiência de que, se minha inconclusão, de que sou consciente, atesta, de um lado, minha ignorância, me abre,  de outro,o caminho para conhecer.
Me sinto seguro porque não há razão para me envergonhar por desconhecer algo. Testemunhar a abertura dos outros, a disponibilidade curiosa à vida, a seus desafios, são saberes  necessários a prática educativa.Viver a abertura respeitosa dos outros, e de quando em vez, de acordo com o momento, tomar a própria prática de abertura ao outro como objeto de reflexão crítica deveria fazer parte da aventura  docente. A razão ética da abertura, seu fundamento político, sua referência pedagógica: a boniteza que há nela como viabilidade do diálogo. A experiência da abertura como experiência fundante do ser inacabado que terminou  por se saber inacabado. Seria impossível saber-se inacabado e não se abrir ao mundo e aos outros à procura de explicações, de respostas a múltiplas perguntas. O fechamento ao mundo e aos outros se torna transgressão ao impulso natural da incompletude.

O sujeito que se abre ao mundo e aos ouros inaugura com seu gesto a relação dialógica em que se confirma como inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente movimento na história.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Instrução Normativa nº 12/2008, dispõe sobre elaboração de regimento escolar.





INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/2008- SEDE/GENE
Orienta as escolas integrantes do Sistema
 Estadual de Ensino quanto aos procedimentos
referentes à elaboração do Regimento Escolar.


A Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação, através da Gerência de Normatização do Ensino, considerando o disposto no Decreto Estadual nº. 30.362, de 17/04/2007, D.O.E. 18/04/2007, na Lei Federal nº. 9.394, de 20/12/1996 e Lei Complementar Nº 95, de 26/02/1998.

RESOLVE:

Art.1º A estrutura organizacional das escolas integrantes do Sistema Estadual de Ensino de Pernambuco será regulada, em seus regimentos escolares, observados os princípios constitucionais, a legislação educacional vigente e as normas estaduais específicas, particularmente, as fixadas nesta Instrução Normativa.

Parágrafo único. O Regimento Escolar define e organiza os aspectos administrativo, didático-pedagógico e de convivência social da escola, devendo ser elaborado com a participação de todos os segmentos escolares, observadas as especificidades do seu contexto.

Art. 2º O Regimento Escolar, fundamentado nos princípios constitucionais que regem o ensino, deverá considerar o seguinte:

I – as características, interesses e necessidades da comunidade escolar;
II – a pluralidade de ideias e de concepções políticas, administrativas e pedagógicas dos elementos constitutivos da comunidade escolar e extra-escolar;
III – a autonomia da escola como unidade coletiva de trabalho;
IV – a participação democrática na gestão da escola.

Art. 3º O Regimento Escolar deverá obedecer à seguinte formatação legal:

I - o elemento básico de articulação será o artigo, indicado pela abreviatura "art.", seguida de numeração ordinal até o nono e cardinal a partir do 10 (dez);
II – os artigos poderão ser desdobrados em parágrafos ou em incisos;
III – os parágrafos poderão ser desdobrados em incisos, os incisos em alíneas e as alíneas em itens;
IV – os parágrafos serão representados pelo sinal gráfico "§", seguido de numeração ordinal até o nono e cardinal a partir do 10 (dez), e havendo apenas 01 (um) parágrafo, este deverá ser representado pela expressão "Parágrafo único";
V – os incisos serão representados por algarismos romanos, as alíneas por letras minúsculas e os itens por algarismos arábicos;
VI – os artigos deverão estar organizados em Títulos e Capítulos e, nos Capítulos, os artigos ainda podem ser agrupados em Seções e Subseções, quando se fizer necessário;
VII – os Capítulos e os Títulos serão grafados em letras maiúsculas seguidos por algarismos romanos;
VIII – as Subseções e Seções serão identificadas por algarismos romanos, grafadas em letras minúsculas e em negrito ou caracteres que as coloquem em realce.

Parágrafo único. Os artigos, elementos básicos de articulação entre as matérias legisladas, poderão, também, agrupar-se em Disposições Preliminares, Gerais, Finais ou Transitórias de acordo com a necessidade.

Art. 4º Na elaboração do Regimento Escolar, deverão ser obedecidas as seguintes normas:

I - no que se refere à clareza textual, a escola deverá utilizar:
a) palavras e expressões em sentido comum, com exceção dos termos técnicos específicos da área de educação e/ou áreas afins;
b) frases curtas e concisas;
c) orações na ordem direta, sem preciosismo, neologismo e adjetivação desnecessários;
d) tempo verbal uniforme, no presente ou no futuro do presente;
e) recursos de pontuação de forma judiciosa sem abusos estilísticos;
II - no que se refere à precisão, a escola deverá utilizar:
a) linguagem técnica ou comum articulada, de forma a permitir a compreensão da matéria legislada;
b) as mesmas palavras para expressar ideia(s) quando repetida(s) no texto, inclusive para não facilitar o emprego de expressão ou palavra que permita duplo/dúbio sentido;
c) palavras e ou expressões que tenham o mesmo sentido e significado na maior parte do território nacional;
d) siglas, desde que observado o princípio de que a primeira referência no texto seja acompanhada de explicitação de seu significado;
e) referências a números e percentuais por extenso, exceto data, número de lei e casos que acarretem prejuízo à compreensão do texto;
III – no que se refere à ordem lógica, a escola deverá utilizar:
a) ordenamento (subseções, seções, capítulos e títulos) conforme a matéria legislada no Regimento Escolar;
b) para cada artigo um único assunto ou princípio;
c) parágrafos para expressar aspectos complementares ao disposto no caput do artigo e as exceções à regra por este estabelecidas;
d) incisos e alíneas com as discriminações e enumerações devidas.

Art. 5º As Escolas integrantes do Sistema Estadual de Ensino de Pernambuco deverão, necessariamente, contemplar em seus Regimentos Escolares:

I – o objeto, a indicação do âmbito de sua aplicação e a fundamentação legal;
II – a denominação da instituição e respectiva localização;
III – a identificação da entidade mantenedora e sua natureza jurídica;
IV – os níveis e modalidades de educação e ensino oferecidos e horários de funcionamento;
V – os princípios filosóficos e pedagógicos e as finalidades da instituição de ensino;
VI - os elementos constitutivos da organização escolar, a saber:
a) forma de gestão;
b) organização administrativa;
d) organização didática e pedagógica;
e) serviços de apoio administrativo e técnico-pedagógico;
f) órgãos colegiados;
g) princípios de convivência social contemplando os direitos e deveres dos segmentos que compõem a escola.

Art. 6º O Regimento Escolar deverá ser encaminhado à Gerência Regional de Educação à qual a escola está jurisdicionada, em 3 (três) vias devidamente datadas e assinadas pelo gestor da escola.

Parágrafo único. As demais folhas constantes do referido documento deverão ser, pelo gestor, rubricadas.

Art. 7º É da competência da Secretaria de Educação de Pernambuco, através da Gerência de Normatização do Ensino, aprovar os Regimentos Escolares das escolas integrantes do Sistema Estadual de Ensino, observado o disposto na legislação educacional vigente e nas normas estaduais específicas.

Art. 8º A aprovação do Regimento Escolar dar-se-á através de Portaria publicada no Diário Oficial do Estado.

Art.9º Qualquer alteração do/no regimento escolar deverá ser submetida à apreciação do órgão competente e só entrará em vigor após aprovação e publicação no Diário Oficial do Estado de Pernambuco.

Art. 10 A presente Instrução Normativa entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial do Estado.

Recife, 23 de outubro de 2008.
Profª. Aida Monteiro
Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação
Profª. Vicencia Barbosa de Andrade Torres
Gerência de Normatização do Ensino

Publicada no D.O.E. em 27 de novembro de 2008.


Regimento Escolar




O que é?

Um conjunto de regras que norteiam e regulam a estrutura e o funcionamento escolar, além de definir a organização administrativa, didática, pedagógica, disciplinar e estabelecer direitos e deveres de todos que convivem no ambiente.
É o Regimento Escolar, o legitimador e legalizador dos atos escolares, consoante legislação vigente. É o resultado do pacto celebrado entre todos que fazem a escola, visando a normatização das relações, direitos e deveres.

Para que serve:

Fortalecer a autonomia da escola numa perspectiva democrática, além de assegurar os princípios filosóficos e político-pedagógicos que norteiam a prática educativa escolar, garantindo-lhe as suas especificidades pedagógicas e administrativas.
Porque o Regimento deve ser autônomo:
O Regimento expressará o projeto educativo da escola, construído coletivamente, permitindo que ela expresse sua identidade sem perder de vista a legislação e as diretrizes e políticas educacionais nacionais e estaduais.

Como elaborar o Regimento da escolar

Coletivamente, com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar, através de assembléia, com a finalidade de discutir e deliberar conteúdos que comporão o Regimento.

Estrutura Regimental:

O Regimento das escolas estaduais deverá contemplar os itens relacionados, consoante com a Instrução Normativa nº 12/2008:
  I - o objeto, a indicação do âmbito de sua aplicação e a fundamentação legal;
 II - a denominação da instituição e respectiva localização;
III - a identificação da entidade mantenedora e sua natureza jurídica;
IV - os níveis e modalidades de educação e ensino oferecidos e horários de funcionamento;
V - os princípios filosóficos e pedagógicos e as finalidades da instituição de ensino;
VI - os elementos constitutivos da organização escolar, a saber:
  a) forma de gestão;
  b) organização administrativa;
  c) organização didática e pedagógica;
 d) serviços de apoio administrativo e técnico-pedagógico;
 e) órgãos colegiados;
 f)  princípios de convivência social contemplando os direitos e deveres dos segmentos que compõem a escola.

Atualização do Regimento:

A escola deve possibilitar espaços de revisão e atualização dos dispositivos do seu Regimento, de modo a acompanhar o dinamismo das ações desenvolvidas, através de emendas regimentais que devem ser aprovadas pelos colegiados escolares.


segunda-feira, 4 de março de 2013

MULHERES CELTAS




As mulheres de origem Celta eram criadas tão livremente quanto os homens, A elas era dado o direito de escolherem seus parceiros e nunca poderiam ser forçadas a uma relaçãoque não queriam. Eram ensinadas a trabalhar para que pudessem  garantir seu sustento, bem como eram excelentes amantes,  donas de casas e mães. 

A primeira lição era: 
Ama teu homem e o segue, mas somente se ambos  representarem um para o outro o que a  Deusa Mãe ensinou: 
Amor, companheirismo e amizade.” 

Jamais permita . . .

Jamais permita que algum homem a escravize: você nasceu livre para amar, e não para ser escrava.

Jamais permita que o seu  coração sofra em nome do amor. 
Amar é um ato de felicidade, por que sofrer? 

Jamais permita que seus olhos  derramem lágrimas por alguém  que nunca fará você sorrir!

Jamais permita que o uso de seu  próprio corpo seja cerceado.  Saiba que o corpo é a moradia do espírito,  por que mantê-lo aprisionado?

Jamais se permita ficar horas  esperando por alguém que nunca virá,  mesmo tendo prometido!

Jamais permita que o seu nome seja  pronunciado em vão por um homem  cujo nome você sequer sabe!

Jamais permita que o seu tempo  seja desperdiçado com alguém que  nunca terá tempo para você!

Jamais permita ouvir gritos em seus ouvidos. 
O Amor é o único que pode falar mais alto!

Jamais permita que paixões desenfreadas  transportem você de um mundo  real para outro que nunca existiu!

Jamais permita que os outros sonhos  se misturem aos seus, fazendo-os virar um grande pesadelo!

Jamais acredite que alguém possa voltar  quando nunca esteve presente!

Jamais permita que seu útero gere  um filho que nunca terá um pai!

Jamais permita viver na dependência de um homem  como se você tivesse nascido inválida

Jamais se ponha linda e maravilhosa a fim de esperar  por um homem que não tenha olhos para admirá-la! 

Jamais permita que seus pés caminhem em direção  a um homem que só vive fugindo de você!

Jamais permita que a dor, a tristeza, a solidão, o ódio,  o ressentimento, o ciúme, o remorso e tudo aquilo que  possa tirar o brilho dos seus olhos, a dominem,  fazendo arrefecer a força que existe dentro de você! 

E, sobretudo, jamais permita que você mesma perca a  dignidade de ser MULHER!!! 
(sem menção do autor)

Mulher

 


Dizem que a uma certa idade nós  mulheres nos fazemos invisíveis, que nossa atuação na cena da vida diminui e que nos tornamos inexistentes para um mundo onde só cabe o impulso dos anos jovens.

Eu não sei se me tornei invisível para o mundo, pode ser, porém nunca fui tão consciente da minha existência como agora, nunca me senti tão protagonista da minha vida, e nunca desfrutei tanto cada momento da minha existência.

Descobri que não sou uma princesa de contos de fada; descobri o ser humano sensível que sou e também muito forte. Com suas misérias e suas grandezas. 

Descobri que posso me permitir o luxo de não ser perfeita, de estar cheia de defeitos, de ter fraquezas, de me enganar, de fazer coisas indevidas e de não responder as expectativas dos outros.

E , apesar disso... Gostar de mim

Quando me olho no espelho e procuro quem fui…sorrio àquela que sou…
Me alegro do caminho andado, assumo minhas contradições. Sinto que devo saudar a jovem que fui com carinho, mas deixa-la de lado porque agora me  atrapalha.
Seu mundo de ilusões e fantasias, já não me interessa.
É bom viver sem ter tantas obrigações. Que bom não sentir um desassossego permanente causado por correr atrás de tantos sonhos.

“A vida é tão curta e a tarefa de vive-la é tão difícil que quando começamos
a aprende-la, já é hora de partir "

A mulher com alma de criança


Ela brinca com a vida
Por que acha que sofreu demais
Aprendeu todos os jogos
Descobriu cada manhã
Cada senha, cada sinal.
Hoje ela não se deixa perder
Ela sabe que já perdeu bastante

Seus valores, ao longo da vida
Foram mudados
Ela é camaleão
E quando todos achavam
Que ela não tinha mais tempo
Ela fez seu tempo

A mulher com alma de criança sabe
O seu corpo não é o mesmo de ontem
Mas, isso não a impede de sorrir.
Aprendeu a se valorizar
sabe o que quer
E mais
As coisas que antes eram muito importantes
Hoje não tem o mesmo valor


Marcelo Veneri

Irretocável


Silvana Duboc

Tenho cabelos claros, pintados,  para esconder os fios brancos. 

Não me recordo exatamente em que ano  eles começaram a branquear... 

Tenho algumas rugas em volta dos olhos,  mas também não me recordo  quando elas começaram a aparecer. 

Tento disfarçá-las, são tantas  novidades no campo da dermatologia,  achei por bem aproveitá-las.

Do corpo, quase não cuido , só recentemente entrei  para uma academia por ordem médica. 

Ele me disse que na minha idade preciso de exercícios... 
Mas falto mais do que vou, não gosto de fazer ginástica. 

Das minhas unhas cuido semanalmente,  penso que elas são um cartão de visita. 
Unhas maltratadas causam uma péssima impressão!

De uns dez anos pra cá descobri os cremes  e aí compro um aqui, outro ali e no final nã0 uso nenhum, mas compro, só de olhá-los na prateleira  já percebo que as rugas se retraem. 

Sou assim, vaidosa, mas não em excesso,  penso que sou na medida certa,  na medida correta para uma mulher. 

Enfim, os anos passam e as marcas  que eles deixam em nós, não temos  como conter. Nem pretendo isso!

Acredito que cada marca, que meu corpo carrega,  tem uma linda história. 

Às vezes na frente do espelho ao descobrir uma  nova ruguinha fico pensando o que a causou. 

Depois reencontro com outra que já está vincada há anos  e me recordo quando ela apareceu.

Poderia enumerar também a história  de cada fio de cabelo branco. 

Foram filhos, amores, marido, amigos que colocaram eles ali. 

Não quero me desfazer de nenhuma dessas marcas,  apenas amenizá-las, acho que mereço isso. 
A vida me deve isso.

Atualmente a parte que merece  mais a minha atenção, é a cabeça. 

Tento, todos os dias, colocá-la no lugar,  equilibrá-la, alimentá-la com sonhos e alegrias. 

Corpo e mente caminham juntos. 
Se um estiver em estado lastimável , o outro provavelmente vai se deteriorar.

Não escondo minha idade. 
Não adiantaria falar que tenho trinta e cinco  e apresentar um filho de trinta. 
Portanto eu confesso:  tenho sessenta e um anos. 
Metade deles bem vividos,  a outra metade muito sofridos. 

Mas é exatamente aí que está  o encanto da minha idade. 
Conheci de tudo um pouco, das lágrimas aos sorrisos  e ambos me fizeram ser essa pessoa que sou hoje. 

Ficaram as rugas no rosto e na alma,  mas também ficaram sorrisos em ambos. 

Minhas rugas mais bonitas  são aquelas marcas de expressão 
que eu adquiri por tanto sorrir,  muitas vezes, quando o coração chorava.

Audrey Hepburn



O texto a seguir foi escrito por Audrey Hepburn, quando pediram que revelasse seus segredos de beleza.

Para ter lábios atraentes, diga palavras doces.


Para ter olhos belos, procure ver o lado bom das pessoas.


Para ter um corpo esguio, divida sua comida com os famintos.


Para ter cabelos bonitos, deixe uma criança passar seus dedos por eles pelo menos uma vez por dia.


Para ter boa postura, caminhe com a certeza de que nunca andará sozinho.


Pessoas, muito mais que coisas, devem ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas; jamais jogue alguém fora.


Lembre-se que, se alguma vez precisar de uma mão amiga, você a encontrará no final do seu braço. Ao ficamos mais velhos, descobrimos porque temos duas mãos, uma para ajudar a nós mesmos, a outra para ajudar o próximo.


A beleza de uma mulher não está nas roupas que ela veste, nem no corpo que ela carrega, ou na forma como penteia o cabelo. A beleza de uma mulher deve ser vista nos seus olhos, porque esta é a porta para seu coração, o lugar onde o amor reside.


A beleza de uma mulher não está na expressão facial, mas a verdadeira beleza de uma mulher está refletida em sua alma. Está no carinho que ela amorosamente dá, na paixão que ela demonstra.

A beleza de uma mulher cresce com o passar dos anos